Receba nossa newsletter:

Vida no Sul celebra os 120 anos da presença dos frades Capuchinhos no Rio Grande do Sul

Publicado Publicado em Notícia     Comentários Sem comentários      Texto de: Marcelo Ferreira
mar
1
capuchinhos_capa

O Vida no Sul que foi ao ar nesta semana esteve envolto num clima de paz e bem, porque celebramos os 120 anos da presença dos frades Capuchinhos no Rio Grande do Sul. Gravado em Garibaldi, município gaúcho que recebeu os primeiros capuchinhos, o programa comandado por Antônio Gringo recebeu os freis Cleonir Dalbosco e Aldo Colombo, que contaram um pouco da história e do trabalho realizado por esses religiosos franciscanos pelo Brasil.

As atrações musicais ficaram por conta do jovem Eduardo Caumo, do Giovanni Mattiello e do Coral Vivere Bene. Nesta matéria, conheça melhor a história dos capuchinhos e confira extras de gravação.

Veja também:
- Assista ao programa completo em nosso canal de vídeos

120 anos dos Capuchinhos no Rio Grande do Sul

Primeira Casa dos Capuchinhos em Garibaldi - RS | Fonte: Vanildo Zugno/ Arquivo Província de Savoia - França

Primeira Casa dos Capuchinhos em Garibaldi – RS | Fonte: Vanildo Zugno/ Arquivo Província de Savoia – França

No século XIX o Brasil vivia um momento de intensa imigração européia. Ao Rio Grande do Sul, entre 1875 e 1889, cerca de 60 mil italianos emigraram, vindos da região do Vêneto, na Itália. A Comissão de Colonização e Terras destinou aos imigrantes a região serrana, constituída das colônias de Conde d’Eu (Garibaldi), Princesa Isabel (Bento Gonçalves), Nova Vicenza (Farroupilha), Caxias do Sul (Campo dos Bugres), Alfredo Chaves (Veranópolis) e Antônio Prado, entre outras.

A fim de socorrerem espiritualmente os imigrantes, em 1895, os frades franceses, da Província de Savoia, frei Bruno de Gillonnay e frei Leão de Montsapey, acompanhados pelo ministro provincial, frei Rafael de La Roche, embarcaram rumo ao Sul do Brasil. No começo de 1896, chegaram a Porto Alegre. A opção dos Capuchinhos, no entanto, foi Conde d’Eu (Garibaldi), onde poderiam implantar um novo projeto missionário junto aos imigrantes italianos. Chegaram na localidade pela tardinha do dia 18 de janeiro de 1896, data que marca a fundação da Missão dos Capuchinhos no Rio Grande do Sul.

A seguir, confira #ExtraDoVida com entrevista estendida concedida pelos freis Cleonir Dalbosco e Aldo Colombo, que falam sobre o que é ser capuchinho, sobre a presença da ordem pelo mundo e sua história até a chegada no Brasil.

Passados 120 anos de presença no RS, a ação dos Capuchinhos, hoje, abrange missões populares, ações sociais (com mais de 20 projetos), pastoral paroquial e hospitalar, animação vocacional e escolas formativas, escola superior de teologia, museu, meios de comunicação (jornais, rádios em redes, sites e plataformas mobile), gráficas, centro de eventos e pousadas voltadas ao turismo e saúde sempre com a marca da alegria franciscana, da simplicidade e disponibilidade para atender as carências da sociedade, testemunhando o carisma do fundador Francisco de Assis.

Confira mais um #ExtraDoVida com entrevista estendida em que os freis falam sobre as frentes sociais de atuação dos capuchinhos:

Atrações musicais do programa tocaram e cantaram em homenagem aos capuchinhos

As atrações musicais do programa ficaram por conta do jovem Eduardo Caumo, do cantor e palestrante de temas de formação humana Giovanni Mattiello e do Coral Vivere Bene, que cantou um tema da imigração italiana em alusão à região de Garibaldi. A seguir, fique com o #ExtraDoVida dos músicos, com edições completas e também músicas que não foram ao ar dos convidados.

Veja também:
- Assista ao programa completo em nosso canal de vídeos

Comentários